segunda-feira, 6 de julho de 2015

Alfabeto Militar de Henry de Sta

Henri de Sta

Henri de Sta , pseudônimo de Arsène-Henry Saint-Alary (1846-1920), foi um desenhista, ilustrador ,cartunista e escritor de quadrinhos francês .

Descendente de uma família de colonos das índias Ocidentais, ele nasceu em 28 de Maio de 1846 em Versalhes, onde seu pai era um tenente em Eugene. Henri de Sta, usou vários círculos literários e de arte, tais como os de Hydropathes , de Incohérents e Black Cat Cabaret, desde ilustrações humorísticas e quadrinhos em diversos jornais, muitas vezes satíricos, incluindo a vida militar, The Paris Review, The Black Cat 4, The Jester Paris, Le Rire e Le Charivari, ou La Semaine de Suzette 5, Le Petit Journal ilustrado Juventude, ou The Illustrated Sun domingo.

Alfabeto Militar
Titulo original: 'Armée Française: Nouvel Alphabet Militaire'
Texto de Pierre Léon Vanier, Ilustrações por Henri de Sta

Este livro de 1880 - obviamente dirigida aos jovens - oferece representações satíricas de vários ramos e uniformes do exército francês e cada cromolitografia é acompanhada por uma página de texto descritivo.

Fontes: Wikipedia, Bibliodyssey
















terça-feira, 30 de junho de 2015

A Biblioteca Virtual de Claraval, uma biblioteca medieval de 1472



Biblioteca Virtual de Clairvaux é um site dedicado à história da biblioteca como era em 1472. Além dos 1.115 manuscritos digitalizados ainda sobrevivem e cuja maioria é Troyes, o site oferece exposições on-line (uma para o momento), registros escolares, educativos e oficinas educativas muito interessantes (vinculativas, fabricação de pergaminho, o iluminador, o copista, conservação e restauro), vídeos , um arquivo de auto-formação e em "mais informações", que apresenta artigos sobre Clairvaux ...

Fonte: https://bibliomab.wordpress.com

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Faça visitas a museus sem sair de casa

Segue lista com 50 museus para você visitar sem sair de casa:

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Projeto > O Livro Potável: água limpa para as massas

Livros e água geralmente não são uma mistura. O Livro potável (The Drinkable Book) é um divisor de águas. Criado pela DDB para  a água é vida O Livro potável é um dispositivo completo para purificação de água em que cada página é impressa com avisos e dicas ao ser sufocada em bactérias matando nanopartículas de prata.

Arrancar uma página, coloque-o no 3D impresso slipcase, despeje a água suja sobre ele e lá vai você - a água potável!




Sobre o projeto:

O Livro potável é uma ferramenta salva-vidas que filtra água e ensina saneamento adequado e higiene para as pessoas do mundo em desenvolvimento.

Cada livro é impresso em papel de filtro avançado tecnologicamente, capaz de matar doenças de veiculação hídrica mortais. Cada página é revestido com nanopartículas de prata, cujos iões activamente matar doenças como a cólera, a febre tifóide e E. coli.

Uma vez que a água é passada através do filtro, contagem de bactérias é reduzida em mais de 99,99%, tornando a água filtrada comparável à água da torneira, nos Estados Unidos da América.

Este papel de filtro vai revolucionar purificação de água. Não custa apenas alguns centavos para produzir, tornando-se, de longe, a opção mais barata no mercado. Cada filtro é capaz de dar a alguém até 30 dias de água potável, e cada livro é capaz de fornecer alguém com água limpa para até 4 anos.

Doações ao projeto > http://waterislife.com/about/donations/

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Arte com livros por Terry Border

Criação de Terry Border, que também promoveu um sorteio de uma de suas obras, "1984" para uma associação de combate ao câncer nos EUA.







Fonte: Blog de Terry Border



quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O rei dos manuscritos iluminados

O rei dos manuscritos iluminados

Ascensão de Jesus, folio 184r
clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.


LES TRÈS RICHES HEURES DU DUC DE BERRY ou simplesmente Les très riches heures (em português, As mui ricas horas do duque de Berry) é um livro de horas ricamente ilustrado. Contém, como todo livro de horas, orações a serem ditas a cada hora canônica do dia. Foi encomendado por João, duque de Berry aproximadamente em 1410. Provavelmente é o mais importante livro de horas do século XV, conhecido como lê roi dês manuscrits enluminés (o rei dos manuscritos iluminados).

A obra
São 512 páginas, das quais aproximadamente a metade são páginas inteiras de miniaturas que estão entre o que há de mais expressivo do gótico internacional, não obstante seu reduzido tamanho. Há trezentas letras capitais decoradas. O livro demandou quase um século de dedicação, conduzidos em três diferentes momentos por Barthélemy van Eyck, Jean Colombe e ainda os Irmãos Limbourg. Atualmente encontra-se no Château de Chantilly, em França.

Entre outras destaca-se as representações dos meses do ano com os respectivos trabalhos a eles relacionados, quase sempre agrícolas.

Era comum em um livro de horas a presença de figuras representando as estações do ano. Porém, as ilustrações dos meses no Três riches heures tem algo de inovador: temas, composição, técnica de execução, demonstram isso. Muitas mostram castelos do duque ao fundo, e são repletas de detalhes sobre os divertimentos e sobre os Trabalhos do Mês (um ciclo de doze cenas comuns na Idade Média e início da Renascença referentes as atividades usuais de cada mês). Tanto a corte do duque como os servos da terra estão presentes, cada ilustração é encimada pelo hemisfério apropriado e pela carruagem solar, pelos signos e graus do zodíaco, pelos dias do mês, assim como referências ao Martirológio Romano.

São duzentos e seis fólios, dos quais mais da metade são ilustrações de página inteira em um formato de 21 centímetros de largura por 29 centímetros de altura. Os pigmentos eram obtidos de matéria mineral ou por processos químicos, usando a goma-arábica como cola. Por exemplo, o verde era obtido a partir de malaquita e o azul de lápis-lazúli. Produtos obtidos a um preço considerável no Médio Oriente.

Representações dos meses do ano

Janeiro
Um banquete de ano-novo com o duque à direita, vestindo uma túnica azul.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Fevereiro
Um dia típico de inverno. Servos aquecem-se junto ao fogo, outros cortam árvores e ainda, outros vão ao mercado.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Março
Uns semeiam o campo. Ao fundo está o Château de Lusignan, uma das residências do duque.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Abril
Um jovem casal troca alianças. Ao fundo o Château de Dourdan.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Maio
Jovens nobres a cavalo. Ao fundo o Palais de la Cité em Paris.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Junho
Colheita. Ao fundo o Hôtel de Nesle.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Julho
Tosquia de ovelhas. Ao fundo o Château de Clain próximo a Poitiers.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Agosto
Nobres com falcões. Ao fundo o Château d'Étampes.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Setembro
Colheita das uvas. Ao fundo o Château de Saumur.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Outubro
Cultivo dos campos. Ao fundo o Louvre.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Novembro
Um servo alimenta os porcos.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Dezembro
A caça de um javali. Ao fundo o Château de Vincennes.

clique sobre sobre a imagem para ampliá-la.

Os artistas
O Très riches heures foi iluminado (pintado) entre 1412 e 1416 pelos Irmãos Limbourg para o duque. A escrita, as letras capitais iluminadas, a decoração das bordas foram executadas em sua maioria por artistas que remanescem desconhecidos. Os Irmãos Limbourg deixaram o livro por acabar quando de sua morte (e do duque também, em 1416). A tarefa passou para o primo do duque, René d'Anjou que comissionou um artista desconhecido (o chamado Mestre das Sombras) que, na verdade, provavelmente era Barthélemy van Eyck que trabalhou no livro na década de 1440. Quarenta anos mais tarde, Carlos I, duque de Sabóia, atribuiu a Jean Colombe a tarefa de terminar as pinturas, algo entre 1485 e 1489.
As pinturas de Colombe são facilmente reconhecidas, assim como as do Mestre das Sombras. Desde o primeiro momento várias mãos têm sido identificadas na obra e Pognon dá o seguinte esquema para as principais miniaturas do calendário:2

Janeiro: o pintor da corte;
Fevereiro: o pintor campestre;
Março: pintor da corte (paisagens) e Mestre das Sombras (Barthélemy van Eyck) para as figuras;
Abril: pintor da corte
Maio: pintor da corte
Junho: pintor campestre
Julho: pintor campestre
Agosto: pintor da corte
Setembro: pintor campestre (paisagem) e Mestre das Sombras (figuras)
Outubro: Mestre das Sombras
Novembro: Jean Colombe
Dezembro: Mestre das Sombras

E ainda, Pognon identifica o pintor pio que pintou muitas das cenas religiosas. O pintor da corte, o campestre e o pio provavelmente referem-se aos três irmãos Limbourg, ou, talvez, outros artistas de seu estúdio. E de notar-se que há outras análises e divisões do trabalho propostas por outros estudiosos do assunto.

Fonte: Wikipédia

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Pra que serve a Literatura?


Este é um e-book concebido e realizado pelo Instituto EcoFuturo em 2013. Faz parte do programa LER É PRECISO do Instituto EcoFuturo e está na 2ª edição e é disponibilizado gratuitamente para leitura e ser baixado em seu desktop ou aparelho móvel.

A partir da pergunda “Por que é importante ler literatura desde a primeira infância?” foram convidados 9 educadores e pesquisadores para escrever o que descobriram e desenvolveram
a partir de sua área de estudo e atuação, e também em sua vida pessoal.

















² O livro digital está em formato pdf, para acessá-lo é necessário que seu dispositivo móvel seja compatível.

Sumário

Literatura desde o berço 
Maria Betânia Ferreira 

Traduzindo o Mundo 
Paulo Bloise 

Leitura e liberdade 
Yves de La Taille 

Para além do certo de ler: duas histórias de criança e leitura 
Luiz Percival Leme Britto 

Nem infância sem livro nem dia sem ramo de flor
Nilma Lacerda 

Arejando palavras: linguagem, literatura e leitura 
Lucila Pastorello 

A formação de leitores pela fala e pelas páginas impressas 
Betty Mindlin

Festa da Palavra 
Ana Maria Machado 

Experimente e nos conte depois 
Elizabeth D’Angelo Serra

Fonte: Instituto EcoFuturo

Compartilhe

Bookmark and Share